Telemar deve pagar indenização por atraso em instalação de linha telefônica

Julgados - Direito do Consumidor - Sexta-feira, 2 de setembro de 2005

Está mantida a decisão que condenou a empresa de telefonia Telemar Norte Leste S/A a pagar indenização de R$ 15 mil, mais juros moratórios e correção monetária a partir da data da decisão, a Josemar Bezerra Raposo, do Maranhão, por causa do atraso de cinco anos na instalação de linha telefônica em área rural. A Terceira Turma do Superior Tribunal de Justiça não conheceu do recurso de Josemar, que pretendia rediscutir o valor e a data inicial da contagem dos juros e correção.

O consumidor entrou na Justiça com uma ação contra a Telemar, pretendendo ser ressarcido por danos materiais e morais decorrentes de ilícito contratual, caracterizado pelo atraso de mais de cinco anos sem que a empresa concluísse a prestação do serviço.Em primeiro grau, os pedidos foram julgados improcedentes.

O usuário apelou, e a Terceira Câmara Cível do Tribunal de Justiça do Maranhão deu provimento à apelação. "Diante de todo exposto, conheço do recurso e dou-lhe provimento para condenar a empresa-apelada a pagar ao apelante a quantia de R$ 15.000,00 (quinze mil reais), valor de hoje, que devem ser acrescidos de juros moratórios à taxa legal – artigos 293 do Código de Processo Civil e 1062 do Código Civil – e de correção monetária – pelos índices legais – até a data do efetivo pagamento, invertendo-se os ônus da sucumbência", afirmou o desembargador.

Segundo o Tribunal, o contrato de prestação de prestação de serviços é de adesão e eventuais dúvidas resolvem-se em favor do consumidor do serviço, cuja boa-fé é presumida. "O valor do dano moral deve ser arbitrado com moderação, de acordo com o grau de culpa, o nível sócio-econômico do autor e, ainda, o porte econômico da empresa-ré", completou.

Inconformado, o consumidor interpôs embargos de declaração, pretendendo discutir o valor da indenização, bem como o prazo inicial para contagem dos juros moratórios e da correção monetária. Os embargos foram rejeitados, levando o usuário a recorrer ao STJ, alegando ofensa aos artigos 165, 458, II, e 535, II, do Código de Processo Civil. Segundo afirmou a defesa, as omissões apontadas nos embargos não foram sanadas.

A Terceira Turma não conheceu do recurso. "Conhecer a exata extensão do dano moral sofrido pela parte e determinar valor indenizatório diverso do que fixado com razoabilidade no acórdão recorrido é inviável em recurso especial", observou o ministro Antônio de Pádua Ribeiro ao votar, lembrando a proibição da súmula 7 do STJ, que impede reexame de provas.

Segundo explicou o ministro, se o prejuízo que o recorrente alega decorre justamente da demora na prestação do serviço telefônico, que tardou anos para ser implementado, é possível estabelecer como termo inicial dos juros da indenização a data da publicação do julgamento, pois o valor arbitrado nesses casos já leva em conta o transcorrer do tempo.

"Como se verifica, tais temas já haviam sido tratados no acórdão embargado e, por isso, os embargos haveriam mesmo de ser rejeitados", considerou o relator. "Não existe, pois, omissão nem ausência de fundamentos. Constata-se que o objetivo do recorrente, quando opôs os embargos, era apenas rediscutir a causa e obter julgamento favorável, sem que o julgado tivesse realmente algum dos vícios enumerados no art. 535 do CPC", acrescentou o ministro Pádua Ribeiro.

Matérias relacionadas

Litisconsortes têm prazo em dobro mesmo que apenas um advogado recorra

O prazo em dobro previsto no artigo 191 do Código de Processo Civil é concedido quando os litisconsortes têm advogados distintos, ainda que só um...

Juiz recebe denúncia contra uma igreja evangélica por crime ambiental

O juiz Fernando Humberto dos Santos, da 12ª Vara Criminal de Belo Horizonte, acatou a denúncia do Ministério Público contra J.B.M.S e uma igreja...

Segurado tem direito reconhecido pelo falecimento de sua esposa

Uma seguradora foi condenada a pagar indenização de R$ 30 mil a um segurado, em virtude do falecimento de sua esposa. O segurado havia contratado...

Júri absolve agricultor que disparou três tiros na esposa

Após mais de 10 horas de julgamento, realizado no Centro de Convivência do Idoso, na Comarca de Forquilhinha, em Santa Catarina, o agricultor...

Fixação do valor da indenização por dano moral é explicado pelo TST

A fixação do valor da indenização judicial por danos morais deve buscar a proporcionalidade e razoabilidade entre a quantia estabelecida e a...

Município responde por débito trabalhista de massa falida

O município de Curitiba foi condenado a pagar débito trabalhista de empresa prestadora de serviço com falência decretada, em decisão que adota a...

Mantida norma coletiva da Caixa Econômica Federal que exclui aposentados

O Tribunal Superior do Trabalho confirmou a prevalência de cláusula de acordo coletivo da Caixa Econômica Federal que instituiu...

Julgado caso de empregada de empresa sucedida por ente público

Empregados de empresa incorporada por sociedade de economia mista não estão sujeitos à determinação constitucional de prévia aprovação em...

Fazenda estadual não responde em ação de servidores públicos inativos

A Segunda Turma do Superior Tribunal de Justiça (STJ), por maioria, entendeu que o secretário de Estado da Fazenda não é parte legítima para...

Candidato reprovado não pode aproveitar psicotécnico para outro concurso

Dois candidatos em concurso público para a Polícia Federal realizado em 1993 reprovados em exame psicotécnico terão que realizar nova avaliação...

Temas relacionados

Julgados

Direito do Consumidor

Outras matérias

Todas as matérias organizadas por assunto


Central Jurídica

Todos os direitos reservados.

Proibida a reprodução total ou parcial sem autorização.

Política de Privacidade