Mulher tem direito a intervalo antes de trabalho extra

Julgados - Direito do Trabalho - Terça-feira, 18 de outubro de 2005

O dispositivo da legislação que prevê às mulheres o direito a intervalo de quinze minutos de descanso antes da prorrogação da jornada de trabalho permanece em vigor, pois foi recepcionado pelo texto constitucional de 1988. A validade do art. 384 da CLT foi declarada pela Quarta Turma do Tribunal Superior do Trabalho ao conceder, segundo voto do ministro Barros Levenhagen (relator), recurso de revista a uma operária paranaense. A decisão garantiu-lhe o pagamento como extra do período de descanso entre a jornada comum e sua prorrogação, além de seus reflexos.

O posicionamento adotado pelo TST reformula decisão anterior do Tribunal Regional do Trabalho da 9ª Região (com jurisdição no Paraná) em processo envolvendo a trabalhadora e a Perdigão Agroindustrial S/A. O órgão de segunda instância entendeu que o direito ao intervalo, previsto pelo dispositivo da CLT, não se estenderia à empregada diante da previsão constitucional que estabelece a isonomia entre os sexos (art. 5º, inciso I).

Após prever, na parte principal do art. 5º, a igualdade de todos perante a lei, sem distinção de qualquer natureza, o texto constitucional estabelece que “homens e mulheres são iguais em direitos e obrigações” (inciso I).

O relator da questão no TST, contudo, argumentou que a prerrogativa do art. 384 da CLT não foi revogada pelo atual texto constitucional. “Conquanto homens e mulheres, à luz do inciso I, do art. 5º da Constituição de 88, sejam iguais em direitos e obrigações, é forçoso reconhecer que elas se distinguem dos homens, sobretudo em relação às condições de trabalho, pela sua peculiar identidade bio-social”, observou Barros Levenhagen.

Essa circunstância, segundo o relator, é que levou o legislador, no artigo 384 da CLT, a conceder às mulheres, em caso de prorrogação do horário normal, um intervalo de quinze minutos antes do início do período extraordinário do trabalho. O aspecto de proteção da norma afasta por si só, disse Barros Levenhagen, qualquer alegação de afronta à isonomia e a “absurda idéia” de redução ou perda de direitos do trabalhador do sexo masculino.

Matérias relacionadas

Determinada indenização por apreensão de veículo em Minas Gerais

A Primeira Câmara Cível do Tribunal de Justiça de Minas Gerais condenou o município de Uberlândia ao pagamento de indenização a Natal Jesus de...

Fio metálico em refrigerante gera indenização

O juiz da 4ª Vara Cível, Jaubert Carneiro Jaques, condenou em Minas Gerais duas empresas, a fabricante e a distribuidora de uma bebida, a pagarem...

Contrato de título de capitalização anulado por falta de transparência

Uma empresa emissora de títulos de capitalização foi condenada a devolver, a um consumidor da cidade de Vazante, em Minas Gerais, o valor...

Empresa pública deve admitir candidato eliminado indevidamente

Um candidato aprovado em concurso público e eliminado imotivadamente em exame médico admissional teve seu direito assegurado de participar do...

Réu condenado por desviar dinheiro de correntistas pela Internet

Foi condenado a 8 anos e 6 meses de reclusão, pelos crimes de formação de quadrilha, estelionato e uso de documento falso, integrante de grupo que...

Pedido de indenização por impotência sexual deve ser instruído

A 5ª Câmara Cível do Tribuna de Justiça do Rio Grande do Sul desconstituiu a sentença de 1º Grau que havia julgado extinta ação de...

SBT condenado por induzir criança a atear fogo no irmão

O juiz Heleno Ribeiro Pereira Nunes, da 6ª Vara Cível do Rio de Janeiro, condenou o Sistema Brasileiro de Televisão (SBT) a pagar uma...

Demitido por ser homossexual é indenizado em R$ 15 mil

Ainda que a dispensa do trabalhador seja um direito subjetivo do empregador, a empresa não pode utilizar esse poder para praticar atos...

Redução do valor de indenização não caracteriza sucumbência recíproca

A redução do valor a ser indenizado, por danos morais, não enseja a aplicação do artigo 21, caput, do Código de Processo Civil – "Se cada...

É possível revogar suspensão do processo após fim do período de prova

É possível a revogação da suspensão condicional do processo, ainda que a Justiça só tome conhecimento da falta cometida após o fim do...

Temas relacionados

Julgados

Direito do Trabalho

Outras matérias

Todas as matérias organizadas por assunto


Central Jurídica

Todos os direitos reservados.

Proibida a reprodução total ou parcial sem autorização.

Política de Privacidade