Condenado por tráfico pode aguardar em liberdade o julgamento de recursos

Julgados - Direito Processual Penal - Quarta-feira, 19 de outubro de 2005

A Sexta Turma do Superior Tribunal de Justiça (STJ), por maioria de votos, concedeu habeas-corpus a veterinário condenado a três anos de reclusão, em regime integralmente fechado, por tráfico de drogas. O relator da ação, ministro Paulo Medina, destacou que a manutenção do acusado no cárcere durante todo o trâmite processual não lhe retira o direito de recorrer em liberdade, "porquanto tal situação fática não tem o condão de convolar-se em motivo cautelar".

No caso, o veterinário foi preso em flagrante em 14 de novembro de 2004, na cidade de Uberlândia (MG), e indiciado pela suposta prática do delito descrito no artigo 12 da Lei 6368/1976, pois foram encontradas em seu poder as substâncias conhecidas como "ecstasy" e LSD.

Segundo a sua defesa, as substâncias entorpecentes apreendidas em seu poder destinavam-se a uso próprio durante uma festa rave, realizada numa chácara localizada na zona rural de Uberlândia. "O paciente é pessoa de boa índole, não possui antecedente criminais e nunca foi preso por qualquer motivo", afirmou.

O juízo de primeiro grau indeferiu o pedido de relaxamento de prisão e/ou liberdade provisória,visto inexistir ilegalidade na prisão e por tratar-se de benefício defeso em Lei, devido à natureza do crime. Inconformada, a defesa impetrou pedido de habeas-corpus perante o Tribunal de Justiça de Minas Gerais que também negou o direito do paciente de recorrer em liberdade. No STJ, o veterinário alegou falta de fundamentação das decisões que decretaram a sua segregação cautelar.

Para o ministro Paulo Medina, as decisões atacadas não trazem motivos justificadores da medida. "A decisão guerreada limitou-se a, friamente, indicar leis sem qualquer atividade hermenêutica, olvidando-se, lado outro, de apontar fatos concretos caracterizadores dos motivos legais a ensejar a custódia preventiva", disse o relator.

Dessa feita, para atender a determinação constitucional de fundamentação de atos decisórios, os acontecimentos, caso proporcionado pelo indiciado ou réu, devem ser realçados – e não conjecturados – pelo magistrado, como forma de demonstrar o caráter de imprescindibilidade da prisão, legitimando-a.

Deve se ressaltar que a decretação do encarceramento cautelar depende, necessariamente, da existência de elementos concretos de probabilidade – sem os quais torna incabível a constrição excepcional – do réu empreender fuga ou colocar em risco a ordem pública, instrução processual ou a aplicação da lei penal (artigo 312, CPP).

"Assim, se o encarceramento provisório não é revestido de cautelaridade, não é a decisão condenatória recorrível suficiente a alicerçar a manutenção da medida, pois, qualquer segregação anterior ao trânsito em julgado da condenação deve ser absolutamente necessária, característica emprestada pela efetiva existência do periculum libertatis", afirmou o ministro.

Matérias relacionadas

Mantida citação de empresa brasileira em ação ajuizada na Inglaterra

A Corte Especial do Superior Tribunal de Justiça (STJ) manteve decisão do presidente, ministro Edson Vidigal, que determinou a citação de uma...

Número pequeno de empregados não impede ação civil pública

O Ministério Público, por meio das Procuradorias Regionais do Trabalho, detém legitimidade para ajuizar ação civil pública visando à tutela...

Mantido enquadramento de empregado da Asbace como bancário

O empregado de empresa de processamento de dados que presta serviços a banco integrante do mesmo grupo econômico deve ser enquadrado como...

Feriado regional tem de ser comprovado para efeito de prazo

A ocorrência de feriado regional que justifique a prorrogação de prazo para a interposição de recurso deve ser comprovada pela parte recorrente....

Afastada alegação de nulidade em favor de celeridade processual

Os princípios constitucionais do processo e das regras jurídicas devem ser analisados de maneira harmônica e a nulidade processual deve ser...

Município deve indenizar pedestre por queda em calçada mal-conservada

O Município tem obrigação de conservar em condições de segurança ruas, calçadas e logradouros públicos. Por não zelar pelas boas condições...

Decisão declara ilegal cobrança de assinatura mensal em tarifa telefônica

Um usuário de linha telefônica deverá receber todo o montante pago correspondente às cobranças realizadas a título de assinatura mensal no...

Justiça acata pedido de empresária para mudança de nome

A empresária Ariadne da Cunha Lima conseguiu, na Justiça, mudar seu nome para Ariadne Coelho. Ela entrou com ação, argumentando que era mais...

Transportadora indenizará família por causar acidente e matar uma pessoa

O juiz Tibúrcio Marques Rodrigues, da 31ª Vara Cível de Belo Horizonte, condenou uma transportadora a indenizar uma família por causar acidente...

Empresa de telefonia condenada por morte de ex-vereador

A 16ª Câmara Cível do Tribunal de Justiça de Minas Gerais condenou uma empresa de telefonia fixa a indenizar a viúva de um ex-vereador de Montes...

Temas relacionados

Julgados

Direito Processual Penal

Outras matérias

Todas as matérias organizadas por assunto


Central Jurídica

Todos os direitos reservados.

Proibida a reprodução total ou parcial sem autorização.

Política de Privacidade