Prisão cautelar não pode ser por tempo indeterminado

Julgados - Direito Penal - Quinta-feira, 24 de novembro de 2005

A prisão cautelar não pode perdurar por tempo indeterminado, sem que esteja demonstrada a sua necessidade, devendo o princípio da razoabilidade, na hipótese, atuar em favor do réu. A conclusão é da Quinta Turma do Superior Tribunal de Justiça, ao reconhecer excesso de prazo na instrução criminal que investiga o uso de documento falso por Roberto Albino Monteiro e conceder-lhe liberdade, caso não esteja preso por outro motivo.

O Tribunal Regional Federal da 3ª Região havia negado o mesmo pedido. No pedido de habeas-corpus, impetrado em causa própria no STJ, ele alegou excesso de prazo para a conclusão da instrução criminal. Afirmou que possui endereço fixo e não sabia da procedência duvidosa de seus documentos, pois confiou na pessoa do despachante que os providenciou. Inicialmente, uma liminar foi indeferida pelo relator.

Após serem prestadas as informações e feita consulta ao endereço eletrônico do Tribunal Regional Federal da 3ª Região, descobriu-se que o paciente foi preso em flagrante delito em 23 de setembro de 2004, permanecendo encarcerado desde então, apesar de o processo estar concluso para sentença desde o dia 29 de junho de 2005.

O ministro determinou, então, expedição do alvará de soltura. "Constitui constrangimento ilegal a demora injustificável para a prolação da sentença, quando encerrada a instrução criminal, estando o réu preso cautelarmente", considerou o relator. "O princípio da razoabilidade, na hipótese, milita em favor do réu, uma vez que a prisão cautelar não pode perdurar por tempo indeterminado, sem que esteja demonstrada a sua necessidade", acrescentou.

Para o relator, nada pode justificar a permanência de uma pessoa na prisão, sem culpa formada, quando configurado excesso sem razão no tempo de sua prisão. "No caso, não me parece aceitável manter a custódia cautelar do paciente, que já ultrapassa um ano, sem que a defesa tenha dado causa a essa demora indiscutivelmente excessiva", observou.

O ministro explicou, ainda, que a súmula 52 do STJ não constitui impedimento à concessão da ordem, considerando a situação concreta. Diz o texto: Encerrada a instrução criminal, fica superada a alegação de constrangimento por excesso de prazo.

"Não é possível, sob a sua orientação, dilatar excessivamente o prazo para sentenciar, sem que tal seja imputável ao denunciado, máxime após a superveniência do inciso LXXVIII do artigo 5º da Constituição Federal, oriunda da EC 45/2005, que preconiza, como garantia fundamental, a razoável duração do processo e os meios que garantam a celeridade de sua tramitação", acrescentou o ministro. "Pelo exposto, concedo a ordem impetrada, por força da excessiva e injustificada demora na prolação da sentença, que não pode ser atribuída à defesa", concluiu o ministro Arnaldo Esteves Lima.

Matérias relacionadas

Negado habeas-corpus a advogado com 513 ações por corrupção ativa

O advogado Antônio Belizário Leme teve negado seu pedido de habeas-corpus com o qual visava reunir as 264 ações penais a que responde no Rio...

Transportador não é responsável por disparo no interior de seu veículo

A Quarta Turma do Superior Tribunal de Justiça (STJ), à unanimidade, julgou improcedente ação de indenização por dano moral proposta por...

Consorciados desistentes têm direito à restituição 30 dias após findo o grupo

Consorciados desistentes têm direito à restituição dos valores pagos, atualizados monetariamente, mas a restituição, assim como a contagem do...

MercadoLivre.com processado por venda de produtos falsificados

A MercadoLivre.com Atividades de Internet, responsável pelo site de leilões de mesmo nome, não conseguiu levar ao Superior Tribunal de Justiça...

Toda atividade no setor de geração de energia elétrica tem periculosidade

O trabalhador que exerce atividade no setor de geração de energia elétrica tem direito ao adicional de periculosidade, independentemente do cargo,...

TST já admite honorários a sindicato que substitui empregado

A Subseção de Dissídios Individuais 1 (SDI-1) do Tribunal Superior do Trabalho reconheceu, por maioria, o direito do sindicato que atua como...

Passageira será indenizada por cancelamento de vôo

A 12ª Câmara Cível do Tribunal de Justiça de Minas Gerais condenou uma companhia aérea e uma agência de turismo a indenizarem, por danos morais...

Mantida ação contra demolição de imóveis por igreja

Foi negado o pedido de habeas corpus de Igreja Evangélica de BH e de J.B.M.S, para trancar a ação penal, em que eles são acusados de crimes...

Homem perde os braços em acidente e recebe indenização da Supervia

A 38ª Vara Cível do Rio de Janeiro condenou a Supervia a indenizar Cristiano Costa da Silva, que perdeu os dois braços em um acidente, tendo que...

Passageiro que viajou em poltrona quebrada será indenizado

A empresa de aviação TAP Air Portugal foi condenada a pagar uma indenização de R$ 3 mil a um passageiro que foi obrigado a viajar do Brasil a...

Temas relacionados

Julgados

Direito Penal

Outras matérias

Todas as matérias organizadas por assunto


Central Jurídica

Todos os direitos reservados.

Proibida a reprodução total ou parcial sem autorização.

Política de Privacidade