Consorciados desistentes têm direito à restituição 30 dias após findo o grupo

Julgados - Direito do Consumidor - Quinta-feira, 24 de novembro de 2005

Consorciados desistentes têm direito à restituição dos valores pagos, atualizados monetariamente, mas a restituição, assim como a contagem do prazo para os moratórios, somente deve ocorrer trinta dias após o prazo previsto contratualmente para o encerramento do plano. A observação foi feita pela Quarta Turma do Superior Tribunal de Justiça, ao dar parcial provimento a recurso especial da Disal Administradora de Consórcios Ltda., do Rio Grande do Sul, contra a Indústria de Equipamentos Médicos S/A.

Na ação movida pelos consorciados, foram requeridos o desfazimento do contrato e a restituição das parcelas pagas corrigidas, além de indenização por dano moral pelo alegado prejuízo decorrente de atualização indevida pela ré. A atualização foi feita com base na variação cambial, que teria se tornado gravosa a partir da alta da moeda norte-americana a partir de janeiro de 1999. Reconhecido o direito em primeira instância, o Consórcio apelou.

Após examinar a apelação, o Tribunal de Justiça do Estado do Rio Grande do Sul afastou o dano moral e determinou a atualização das parcelas pelo IGP-M, e não pela variação cambial do dólar comercial ou pelo preço do bem à época da devolução. "Diante da ausência da comprovação, pela Administradora, da não-substituição da consorciada desistente (ônus probatório seu, do qual não se desincumbiu), deve proceder a restituição imediata dos valores pagos, atualizados monetariamente pelo IGP-M desde cada desembolso e acrescido de juros legais desde a citação, deduzida a taxa de administração", diz a decisão.

Ao decidir, o tribunal estadual aplicou a súmula 35 do STJ. "Incide correção monetária sobre as prestações pagas, quando de sua restituição, em virtude da retirada ou reclusão do participante de plano de consórcio", diz o texto do documento.

No recurso para o STJ, a administradora de consórcio afirmou que a decisão ofendeu o artigo 333 do Código de Processo Civil (CPC) e o artigo 33 da Lei n. 8.177/91, além de ter divergido da orientação no STJ no tocante ao momento da restituição, que é regida pela Circular 2766/97 do Banco Central.

"Realmente, milita a favor do consórcio a presunção de que com a saída do consorciado, ficou o grupo desfalcado, pois este é o fato que de logo se pode esperar como resultado", afirmou o ministro Aldir Passarinho Junior, relator do processo, ao votar. "O preenchimento da vaga, a substituição, não tem como automaticamente ser presumido. O ônus, então, a respeito, ainda será do autor. Havendo a desistência, surge o vazio", explicou.

Ainda segundo o relator, o Código de Defesa do Consumidor não abriga inversão do ônus, bastando a desistência. "Esta, por si só, já é a prova favorável à administradora de consórcio e ao grupo respectivo", observou. "Não se pode olvidar que há a constituição de um grupo de consorciados, com expectativas comuns e recíprocas, de modo que o afastamento, com a retirada, imediata, de parcelas pagas, mas que foram utilizadas no pagamento de veículos de outros consorciados já entregues e pagos, importa em desequilíbrio, prejudicando aquele núcleo de interessados".

Para o ministro, o consorciado tem direito ao resgate das parcelas com atualização monetária, mas a administradora tem razão quanto ao momento da devolução. "Trinta dias a contar do prazo previsto contratualmente para o encerramento do plano de consórcio", concluiu o ministro Aldir Passarinho Junior.

Matérias relacionadas

MercadoLivre.com processado por venda de produtos falsificados

A MercadoLivre.com Atividades de Internet, responsável pelo site de leilões de mesmo nome, não conseguiu levar ao Superior Tribunal de Justiça...

Toda atividade no setor de geração de energia elétrica tem periculosidade

O trabalhador que exerce atividade no setor de geração de energia elétrica tem direito ao adicional de periculosidade, independentemente do cargo,...

TST já admite honorários a sindicato que substitui empregado

A Subseção de Dissídios Individuais 1 (SDI-1) do Tribunal Superior do Trabalho reconheceu, por maioria, o direito do sindicato que atua como...

Passageira será indenizada por cancelamento de vôo

A 12ª Câmara Cível do Tribunal de Justiça de Minas Gerais condenou uma companhia aérea e uma agência de turismo a indenizarem, por danos morais...

Mantida ação contra demolição de imóveis por igreja

Foi negado o pedido de habeas corpus de Igreja Evangélica de BH e de J.B.M.S, para trancar a ação penal, em que eles são acusados de crimes...

Homem perde os braços em acidente e recebe indenização da Supervia

A 38ª Vara Cível do Rio de Janeiro condenou a Supervia a indenizar Cristiano Costa da Silva, que perdeu os dois braços em um acidente, tendo que...

Passageiro que viajou em poltrona quebrada será indenizado

A empresa de aviação TAP Air Portugal foi condenada a pagar uma indenização de R$ 3 mil a um passageiro que foi obrigado a viajar do Brasil a...

Mulher projetada para fora de ônibus deve ser indenizada

Cliente de empresa de transporte coletivo que sofreu fratura no pé ao ser projetada para fora de ônibus há de ser indenizada. Configurada a...

Concessionária é condenada por negligência na revisão de automóvel

A Concessionária Fox Veículos Ltda. foi responsabilizada por negligência na revisão de automóvel. Ela não informou ao proprietário sobre...

Problema na coluna dá direito a indenização "vitalícia"

A empresa que deixa de cumprir regras básicas de segurança e medicina do trabalho, submetendo o empregado a atividades pesadas em posições...

Temas relacionados

Julgados

Direito do Consumidor

Outras matérias

Todas as matérias organizadas por assunto


Central Jurídica

Todos os direitos reservados.

Proibida a reprodução total ou parcial sem autorização.

Política de Privacidade