Banco indenizará empregado demitido quando detinha estabilidade

Julgados - Direito do Trabalho - Terça-feira, 6 de dezembro de 2005

A União de Bancos Brasileiros S/A (Unibanco) terá de indenizar um funcionário cuja demissão foi consumada apesar dele ter obtido o benefício de auxílio doença acidentário durante o aviso prévio. O benefício foi concedido pelo órgão previdenciário (INSS) um dia após a dispensa. De acordo com a Quarta Turma do Tribunal Superior do Trabalho, em voto relatado pelo juiz convocado Luiz Antonio Lazarin, nesse caso, a lei assegura o direito à estabilidade provisória por 12 meses a contar do fim da concessão do benefício.

Como o período de garantia de emprego já se encontra extrapolado, na medida em que o afastamento previdenciário encerrou-se em 5 de maio de 1998, a Quarta Turma do TST determinou que o Unibanco pague os salários do período compreendido entre a data da despedida e o final do período de estabilidade (Súmula 396 do TST). Nesse caso, o TST não assegura ao trabalhador a reintegração no emprego. Vítima de Lesão por Esforço Repetitivo (LER) em razão de sua atuação como digitador, o bancário pretendia obter justamente a reintegração aos quadros do Unibanco. Seu recurso foi julgado procedente em parte.

A doença profissional foi adquirida no curso do contrato de trabalho e constatada após o início do aviso prévio. No caso julgado pela Quarta Turma do TST, o benefício foi concedido pelo órgão previdenciário (INSS) com data retroativa a 20 de maior de 1997. A demissão havia ocorrido na véspera, dia 19. O direito à estabilidade provisória por 12 meses após a cessação do auxílio-doença ao empregado acidentado foi assegurado pela Lei nº 8.213/91 (artigo 118).

As instâncias ordinárias haviam negado ao bancário o direito à reintegração e também à indenização correspondente ao período estabilitário, sob o entendimento de que a lei assegura a estabilidade apenas na vigência do contrato e não depois da sua extinção. O TRT de São Paulo (2ª Região) aplicou ao caso antiga jurisprudência do TST segundo a qual “a projeção do contrato de trabalho para o futuro, pela concessão do aviso prévio indenizado, tem efeitos limitados às vantagens econômicas obtidas no período de pré-aviso, ou seja, salários, reflexos e verbas rescisórias” (antiga OJ 40 da SDI-1).

De acordo com o juiz Luiz Antonio Lazarin, há jurisprudência no TST para o caso específico dos autos. A antiga OJ nº 135 da SDI-1 já dispunha que os efeitos da dispensa só se concretizam depois de expirado o benefício previdenciário, sendo irrelevante que tenha sido concedido no período do aviso prévio. As Orientações Jurisprudenciais nº 40 e nº 135 foram agrupadas e atualmente compõem a Súmula nº 371 do TST. O recurso do bancário foi julgado procedente e o banco foi condenado a pagar salários a partir da alta médica e pelo período de doze meses, depósitos do FGTS, entre outros benefícios.

Matérias relacionadas

Adulteração de combustível leva posto à interdição

Posto deve ser interditado definitivamente por descumprir ordem judicial e voltar a comercializar combustível adulterado. A decisão é da 17ª...

Suspensa lei que indeniza vereadores por sessão extraordinária no recesso

O Desembargador Vasco Della Giustina, do Tribunal de Justiça do Rio Grande do Sul, suspendeu liminarmente a Lei nº 1548/05, do Município de...

Conselho de administração não responde por dívida trabalhista de empresa

Para os juízes da 9ª Turma do Tribunal Regional do Trabalho da 2ª Região (TRT-SP), a responsabilidade pelo exercício da atividade empresarial é...

Prescrição da pretensão punitiva aos 70 anos deve ser analisada na sentença

O implemento da idade de 70 anos para fins de prescrição deve se verificar quando da prolação da sentença. Com esse entendimento, a Sexta Turma...

Fazendeiro será indenizado pelos prejuízos causados por descarga elétrica

A Companhia Energética de Minas Gerais (Cemig) terá indenizar em mais de R$ 2,5 milhões o proprietário rural D.H.M, por causa dos prejuízos...

Sul América indenizará paciente que teve internação hospitalar recusada

Um paciente do Rio de Janeiro que teve recusada a autorização para internação hospitalar de emergência pela Sul América Aetna Seguros e...

Apropriação indevida de R$ 84,25 gera demissão por justa causa

A apropriação, para uso particular, de dinheiro confiado pelo empregador para o pagamento de tributos, levou a empresa Disppan Distribuidora de...

Revista de empregado em frente a estranhos ocasiona dano moral

A Quarta Turma do Tribunal Superior do Trabalho confirmou, em decisão unânime, a prerrogativa da Justiça do Trabalho para o julgamento de ação...

Denúncia contra juiz que suspendeu audiência para almoço é rejeitada

O Tribunal Superior do Trabalho rejeitou pedido da Ordem dos Advogados do Brasil – Seção Pará para apuração de denúncia de conduta...

Anulado veto discriminatório para pagamento de seguro

A 11ª Câmara Cível do Tribunal de Justiça de Minas Gerais condenou uma seguradora a pagar à filha da proprietária de uma casa de...

Temas relacionados

Julgados

Direito do Trabalho

Outras matérias

Todas as matérias organizadas por assunto


Central Jurídica

Todos os direitos reservados.

Proibida a reprodução total ou parcial sem autorização.

Política de Privacidade