Servidor celetista com atividade penosa tem contagem especial de tempo

Julgados - Direito Previdenciário - Segunda-feira, 13 de junho de 2005

O servidor público que, sob regime celetista, exerceu atividade considerada penosa, insalubre ou perigosa tem direito à contagem especial desse período para efeito de aposentadoria, mesmo que posteriormente tenha passado à condição de estatutário.

A observação foi feita pelo Superior Tribunal de Justiça, ao negar pedido do Instituto Nacional de Seguridade Social (INSS), o qual pretendia modificar decisão do Tribunal de Justiça do Rio Grande do Norte (TJ-RN) que reconheceu o direito de Gilvan Guedes de Moura.

O INSS alegava que a jurisprudência citada na decisão não trata da mesma hipótese do caso dos autos. Sustentou, ainda, ofensa ao artigo 96, inciso I, da Lei nº 8.213/91, alegando que a decisão incorria em erro de fato, pois deixou de considerar a circunstância de que, nos autos, pretende-se a contagem recíproca (regime privado x público) de tempo especial.

O pedido para examinar a decisão do TJ-RN já havia sido negado pelo relator do caso. Após examinar agravo de instrumento, o ministro afirmou não haver nada a modificar na decisão do tribunal estadual, que está em sintonia com o entendimento firmado pelo Superior Tribunal de Justiça.

Segundo jurisprudência já pacificada pela Terceira Seção do STJ, o servidor público ex-celetista faz jus à contagem do tempo de serviço prestado em condições perigosas, penosas e insalubres na forma da legislação vigente à época da prestação de serviço, ou seja, com o acréscimo previsto na legislação previdenciária de regência.

Após examinar o agravo regimental, a Sexta Turma ratificou a decisão do ministro, tomada em agravo de instrumento, de negar provimento ao recurso. Para a Turma, os servidores contratados sob o regime da Consolidação das Leis Trabalhistas (CLT) que foram alçados à condição de estatutários têm direito à contagem do tempo de serviço para todos os efeitos legais, em virtude de o direito já haver sido adquirido.

Ao negar provimento, o relator ressaltou que a tese jurídica adotada pelas decisões anteriores é semelhante à hipótese do processo, não procedendo o argumento do INSS de que não há semelhança entre os casos.

Matérias relacionadas

Permitido levantar FGTS por rescisão sem justa causa em sentença arbitral

O Superior Tribunal de Justiça entendeu que, configurada a demissão sem justa causa, não há como negar o saque do Fundo de Garantia por Tempo de...

Aluno em atraso há mais de 90 dias não tem direito à renovar matrícula

O atraso no pagamento de mensalidades escolares por período superior a 90 dias, mesmo que de uma única parcela, autoriza a entidade de ensino a...

Tempo de serviço rural reconhecido mesmo tendo havido atividade urbana

A Turma Nacional de Uniformização da Jurisprudência dos Juizados Especiais Federais fixou entendimento que reconhece a possibilidade de concessão...

Cláusula que autoriza desconto em folha relativo a empréstimo é legal

O Superior Tribunal de Justiça decidiu ser legal a cláusula contratual que autoriza o desconto em folha de débito relativo a empréstimo...

Confirmada prevalência de acordo sobre convenção coletiva

O Tribunal Superior do Trabalho reconheceu a prevalência de um acordo coletivo - pacto entre sindicato dos trabalhadores e empresa - sobre uma...

Há periculosidade em caso de radiação ionizante

O Tribunal Superior do Trabalho confirmou a condenação imposta pela segunda instância à Irmandade da Santa Casa de Misericórdia de Porto Alegre...

É válida a demissão de empregado em disponibilidade

A Seção Especializada em Dissídios Individuais 1 (SDI-1) do Tribunal Superior do Trabalho admitiu a possibilidade de demissão de empregado não-...

Mãe adotiva é equiparada à biológica para assegurar licença

O Tribunal Superior do Trabalho reconheceu o direito da mãe adotiva à licença-maternidade, ainda que à época da adoção não houvesse essa...

Excluídos juros de mora em precatório de atualização do débito

O Tribunal Superior do Trabalho julgou indevida a incidência de juros de mora sobre o valor referente à atualização monetária de débito...

TST adequa Orientação Jurisprudencial nº 79 à Súmula do STF

O Tribunal Superior do Trabalho decidiu modificar a redação da Orientação Jurisprudencial nº 79 da Subseção de Dissídios Individuais-1...

Temas relacionados

Julgados

Direito Previdenciário

Outras matérias

Todas as matérias organizadas por assunto


Central Jurídica

Todos os direitos reservados.

Proibida a reprodução total ou parcial sem autorização.

Política de Privacidade