Caixa bancário faz jus a gratificação mesmo após mudar de função

Julgados - Direito do Trabalho - Terça-feira, 28 de junho de 2005

O Tribunal Superior do Trabalho caracterizou como redução salarial a supressão de gratificação de caixa bancário e assegurou a um bancário essa remuneração que ele havia perdido quando deixou o cargo e voltou a ser escriturário, em decorrência de tenossivite.

De acordo com a CLT, é lícito ao empregador retirar o empregado de função de confiança e colocá-lo em cargo anteriormente ocupado, com a perda de gratificação. Caixa bancário, entretanto, não exerce cargo de confiança nem em comissão, de acordo com a jurisprudência do TST.

A supressão da gratificação paga ao caixa implica, portanto, alteração unilateral ilícita do contrato de trabalho, disse o relator do recurso do bancário, ministro Lelio Bentes Corrêa.

Com o provimento do recurso, reformou-se a decisão do Tribunal Regional do Trabalho de Campinas (15ª Região) que havia rejeitado a ocorrência de violação à irredutibilidade do salário, assegurada na Constituição, pois o bancário deixou de exercer a função da qual decorria a gratificação, por circunstâncias alheias à vontade do empregador.

O TRT registrou que o reenquadramento do empregado pelo Banco Meridional não se constituiu um ato unilateral patronal, mas decorreu da redução da capacidade produtiva do empregado.

Com a reforma dessa decisão, o TST assegurou ao bancário o recebimento de gratificação do período de junho de 1995, quando deixou a função de caixa, até a efetiva dispensa.

O Tribunal também deu provimento ao recurso do bancário em relação ao aviso prévio indenizado que ocorreu no mês em que ele tinha garantia de emprego, prevista para caso de acidente de trabalho.

O TRT havia reconheceu o direito do bancário à estabilidade de emprego de 12 meses, decorrente da doença, mas também julgou válido o aviso prévio indenizado concedido no curso desse período.

Para o relator do recurso no TST, a estabilidade de 12 meses deveria ser usufruída integralmente e, somente após esse período, seria possível ao empregador rescindir o contrato de trabalho, com aviso prévio indenizado.

Matérias relacionadas

Justiça do Trabalho é competente para julgar dissídios de eleições sindicais

O mais recente reconhecimento da ampliação da competência da Justiça do Trabalho, decorrente da Emenda Constitucional 45 (EC 45 - Reforma do...

Mantida decisão que rejeitou denúncia contra jogador Romário

O Superior Tribunal de Justiça decidiu manter a decisão da Justiça do Rio de Janeiro que rejeitou denúncia criminal apresentada contra o jogador...

Cobrança judicial de mensalidade escolar prescreve em um ano

O Superior Tribunal de Justiça negou provimento ao recurso interposto pelo Colégio Marista Dom Silvério, de Belo Horizonte (MG), e manteve o...

Confirmado direito a adicional de periculosidade integral

O término da vigência do acordo coletivo que estabelece o pagamento proporcional do percentual do adicional de periculosidade leva ao...

Recurso por e-mail exige envio de original se não há certificação

A utilização do meio eletrônico de transmissão de mensagens para o ajuizamento de petições e recursos judiciais exige que a parte envie os...

Negado vínculo de emprego em trabalho voluntário

A Seção Especializada em Dissídios Individuais (SDI-1) do Tribunal Superior do Trabalho acolheu o recurso da entidade mantenedora do Colégio...

Contribuição previdenciária é devida mesmo em contrato nulo

A declaração judicial de nulidade do contrato de trabalho com órgão público, por ausência de concurso, não afasta a obrigação de...

Para o STF, Justiça do Trabalho julga dano moral por acidente de trabalho

O presidente do Tribunal Superior do Trabalho, ministro Vantuil Abdala, destacou a importância da decisão do Supremo Tribunal Federal que, por...

Desistência de recurso protocolizada antes de julgamento tem validade

A desistência de recurso, se protocolizada antes de seu julgamento, independe da juntada do pedido aos autos para ter eficácia. A decisão é da...

Bem de família pode ser penhorado por credor de pensão alimentícia

O bem de propriedade comum do casal pode ser embargado para garantir o pagamento de pensão alimentícia devida por um dos cônjuges a filho nascido...

Temas relacionados

Julgados

Direito do Trabalho

Outras matérias

Todas as matérias organizadas por assunto


Central Jurídica

Todos os direitos reservados.

Proibida a reprodução total ou parcial sem autorização.

Política de Privacidade