Prescrição de financiamento fraudulentamente se conta a partir da assinatura

Julgados - Direito Penal - Quinta-feira, 15 de setembro de 2005

O crime de obtenção de financiamento mediante fraude se consuma no momento da assinatura do contrato, que é a materialização da vontade da instituição financeira em conceder o empréstimo, alocando os recursos para esse fim, não importando se a entrega dos valores foi feita em parcelas, que traduzem apenas o simples exaurimento do crime já consumado.

Com esse entendimento, a Quinta Turma do Superior Tribunal de Justiça, com base em voto do ministro Gilson Dipp, rejeitou recurso especial interposto pelo Ministério Público Federal, que pretendia obter a condenação dos empresários Alfredo Khouri e Jorge Zaki Khouri, donos da Construtora Khouri Ltda, e Francisco Hirata, ex-diretor-presidente da Cooperativa Habitacional Bandeirantes de Londrina, no Estado do Paraná, por crime contra o Sistema Financeiro Nacional.

O Ministério Público Federal denunciou Alfredo e Jorge Zaki Khouri, juntamente com Francisco Hirata, por entender que eles, em associação com Dionísio Gumiero, Sidney Calijuri, Ernesto Benedito Nogueira e José Lineu de Godoy, estes ex-funcionários da Caixa Econômica Federal, obtiveram financiamento, em dezembro de 1990, com valores superfaturados, da ordem de mais de Cr$ 1 bilhão, junto à CEF, para a construção do empreendimento Residencial Santos Dumont, em Londrina. O MPF alega que o terreno de 91.960 m2 que seria usado para a construção do empreendimento, que no contrato é avaliado em cerca de Cr$ 132 milhões, teria sido comprado no dia seguinte à proposta de financiamento, 18/12/1990, por apenas Cr$12 milhões, estando com seu preço faturado em torno de 1.090%.

Tanto a Justiça Federal do Paraná quanto o Tribunal Regional Federal da 4ª Região que manteve a sentença, declararam a extinção da punibilidade de todos os réus, por entenderem ter ocorrido no caso a chamada prescrição punitiva em abstrato, desde que já transcorridos mais de 12 anos entre a obtenção do financiamento e a apresentação da denúncia pelo Ministério Público Federal. Daí o recurso especial do Ministério Público Federal para o STJ, argumentando que o crime praticado teria natureza permanente, por isso, como o financiamento foi concedido em parcelas mensais, deveria ser considerada como momento consumativo do crime a data de liberação do último empréstimo e não a da simples assinatura do contrato.

Mas, ao examinar o recurso da CEF, o relator do processo, ministro Gilson Dipp, argumentou que o crime previsto na chamada "Lei do Colarinho Branco" é de natureza material e de consumação instantânea. Para o ministro da Quinta Turma, a obtenção do financiamento não implica necessariamente a efetiva percepção do valor financiado. Assim, o fato se esgota no ato de celebração do contrato com a locação dos recursos, realizado mediante fraude , confirmando a natureza instantânea do delito, de efeitos permanentes.

Para o ministro Gilson Dipp, o financiamento é concedido pela instituição financeira porque o agente, agindo com fraude, induziu a instituição financeira a erro, de modo a celebrar o contrato de financiamento, consumando-se nesse momento o delito. Dessa forma, a efetiva obtenção do valor financiado, com a liberação das parcelas objeto do financiamento, ocorre posteriormente, configurando mero exaurimento da ação delituosa.

Rejeitou, por isso, o recurso do Ministério Público Federal em voto que foi acompanhado integralmente pela ministra Laurita Vaz, presidente do colegiado, e pelos ministros Felix Fischer e Arnaldo Esteves Lima.

Matérias relacionadas

Descentralizadas as ações sobre assinatura básica de telefonia fixa

Ações judiciais que discutem legalidade da cobrança de tarifa de assinatura básica de telefonia fixa não serão centralizadas. Os ministros da...

TST esclarece regras para o interrogatório das partes

O interrogatório das partes, na Justiça do Trabalho, possui caráter facultativo e é totalmente dirigido pelo juiz que preside a audiência. Com...

Mantida penhora sobre conta única de município de Fortaleza

A Quinta Turma do Tribunal Superior do Trabalho manteve decisão que determinou o bloqueio de R$ 59.719,72 na conta única do município de Fortaleza...

Garantido exame em causa sobre complementação de aposentadoria

A Subseção de Dissídios Individuais – 1 (SDI-1) do Tribunal Superior do Trabalho confirmou a competência da Justiça Trabalhista para o exame...

Competência da Justiça do Trabalho para julgar dano moral está pacificada

A Subseção de Dissídios Individuais – 1 (SDI-1) do Tribunal Superior do Trabalho examinou os dois primeiros casos sobre competência para julgar...

Apenas primeiro endosso de cheque é isento de CPMF

A Segunda Turma do Superior Tribunal de Justiça (STJ) entendeu que apenas o primeiro endosso de cheque é isento de CPMF (Contribuição Provisória...

No crédito do ICMS, deve ser aplicada lei vigente à época do fato gerador

A Segunda Turma do Superior Tribunal de Justiça (STJ) entendeu que o aproveitamento de crédito do Imposto sobre Circulação de Mercadorias e...

Tribunal de Justiça do Rio é competente para julgar vereadores fluminenses

A Quinta Turma do Superior Tribunal de Justiça (STJ), por empate na votação, concedeu o habeas-corpus a José Reginaldo de Oliveira para declarar...

Lei estadual que regulamenta meia-entrada não viola Constituição Federal

A Segunda Turma do Superior Tribunal de Justiça (STJ) manteve multa imposta ao Canecão por descumprimento das leis estaduais do Rio de Janeiro que...

TST reconhece uso de analogia e confirma hora extra a bancário

A Subseção de Dissídios Individuais – 1 do Tribunal Superior do Trabalho confirmou o direito de um bancário ao recebimento de horas extras...

Temas relacionados

Julgados

Direito Penal

Outras matérias

Todas as matérias organizadas por assunto


Central Jurídica

Todos os direitos reservados.

Proibida a reprodução total ou parcial sem autorização.

Política de Privacidade