Cobrança por ponto extra de TV a cabo é abusiva

Julgados - Direito do Consumidor - Terça-feira, 4 de outubro de 2005

Decisão do juiz da 8ª Vara Cível de Belo Horizonte, Jair José Pinto Júnior, confirmada pelo desembargador Dídimo Inocêncio de Paula, então juiz do extinto Tribunal de Alçada, embasou nota técnica do Procom Estadual, do dia 20 de setembro, que considera abusiva e ilegal a cobrança por ponto adicional de TV a Cabo.

O desembargador Dídimo de Paula argumenta que “uma vez dentro da residência do consumidor, não pode o fornecedor intervir no uso e distribuição física daquele sinal, ditando o local de sua fruição.” Segundo ele, esse local pode legitimamente ser ditado e eleito pelo consumidor que detém o direito líquido e certo de usar o sinal como bem lhe aprouver, dentro da unidade residencial para a qual o mesmo foi destinado.

De acordo com a nota, a cobrança de valores pelas concessionárias, tendo como fatos geradores a instalação e utilização de pontos extras pelo assinante, constitui uma prática ilegal, porque a lei que regulamenta o serviço não contempla a possibilidade de ele ser remunerado. É também uma prática abusiva, em conformidade com o artigo 39, inciso V, do Código de Defesa do Consumidor (Lei Federal 8.078/90).

O Procom-MG, segundo a nota, tem recebido diversas consultas e reclamações de consumidores e de Procons municipais sobre a regularidade da cobrança que as concessionárias prestadoras de serviços de TV a cabo impõem aos consumidores que desejam instalar ponto extra para a receptação do sinal de radiodifusão, no mesmo local indicado no contrato firmado com o assinante.

Ainda de acordo com a nota do Procon, as operadoras de TV a cabo justificam a cobrança do adicional na mensalidade, por ponto instalado, argumentando que o valor a mais é decorrente dos custos da instalação e manutenção e que o contrato firmado com o consumidor contém cláusula expressa prevendo essa remuneração.

A nota técnica foi elaborada Ministério Público Federal, por meio da Procuradoria de Defesa do Consumidor e pelo Ministério Público Estadual, por meio da Promotoria de Justiça de Defesa do Consumidor e do Procon-MG. Ela não tem teor normativo, mas serve para orientar as ações desses órgãos na defesa do consumidor.

Matérias relacionadas

Juízo de 1º grau é competente para julgar ex-vereador

Em decisão unânime, a Quinta Turma do Superior Tribunal de Justiça (STJ) deferiu o pedido do ex-vereador Deusdemes Lopes Guimarães para remeter...

Negado habeas-corpus a delegado suspeito de corrupção passiva

O delegado de Polícia Francisco de Assis Barreiro Crisanto teve o seu pedido de habeas-corpus indeferido, à unanimidade, pela Quinta Turma do...

Validada nomeação à Polícia Civil de inabilitado na investigação social

Sendo o ato de nomeação ato discricionário, gera direitos para o nomeado, não podendo, pois, ser desconstituído sem o devido processo legal. Com...

Condômino deve provar cerceamento a seu direito para cobrar aluguel

A Corte Especial do Superior Tribunal de Justiça (STJ), à unanimidade, confirmou decisão da Terceira Turma que considerou inviável a posterior...

Penhora de crédito durante execução provisória é admitida pelo TST

A Subseção de Dissídios Individuais 2 (SDI-2) do Tribunal Superior do Trabalho negou pedido da Telemar –Telecomunicações de Sergipe S.A. para...

Bancária é multada por litigância de má-fé após pleitear verba já recebida

A Primeira Turma do Tribunal Superior do Trabalho manteve a multa por litigância de má-fé imposta a uma bancária que cobrou judicialmente do...

Pais e médicos autorizados a interromper gravidez de feto anencéfalo

A 1ª Câmara Criminal do Tribunal de Justiça do Rio Grande do Sul autorizou uma mãe e seu marido, e os médicos que os acompanham, a decidirem...

Policiais militares condenados por espacamento e homicídio de policial civil

A Primeira Câmara Criminal do Tribunal de Justiça de Minas Gerais manteve a condenação dos policias militares A.N.S., J.A.S., F.N.M.S. e J.C.A.R...

Operadora OI é condenada em R$ 10 mil por celular clonado

A 18ª Câmara Cível do Tribunal de Justiça do Rio de Janeiro condenou, por unanimidade, a companhia de telefonia OI TNL a pagar R$ 10 mil de danos...

Trabalhador que é humilhado sem reclamar, não perdoou

Para a 3ª Turma do Tribunal Regional do Trabalho da 2ª Região (TRT-SP), o empregado que não reclama ao ser humilhado, não necessariamente...

Temas relacionados

Julgados

Direito do Consumidor

Outras matérias

Todas as matérias organizadas por assunto


Central Jurídica

Todos os direitos reservados.

Proibida a reprodução total ou parcial sem autorização.

Política de Privacidade