Rejeitado recurso de banco contra instalação de porta giratória

Julgados - Direito do Trabalho - Segunda-feira, 13 de junho de 2005

A Seção Especializada em Dissídios Individuais (SDI-1) do Tribunal Superior do Trabalho rejeitou o recurso do Banco Real S/A que contestava a legitimidade do Sindicato dos Bancários do Espírito Santo para propor ação civil pública com o objetivo de obrigar a instalação de portas giratórias de segurança nas agências bancárias do Estado, como meio de prevenção de assaltos.

A defesa do banco alegou que o sindicato não poderia postular direito alheio, em nome próprio, porque não haveria previsão legal para tanto.

O argumento foi rejeitado pelo relator do recurso, que não conheceu dos embargos. Segundo ele, a legitimação conferida pela Constituição de 1988 ao Ministério Público para propor ações civis públicas não excluiu a atuação no sindicato no mesmo sentido.

Há legitimidade concorrente do sindicato com o Ministério Público do Trabalho para a propositura da ação civil pública visando a defesa de interesses difusos e coletivos, afirmou o relator.

Foi rejeitada também a tese da defesa do banco de que a Justiça do Trabalho não teria competência para processar e julgar este tipo de ação. O banco alegou que segurança pública é dever do Estado, devendo, por esse motivo, ser exercida por forças policiais.

Em razão disso, a defesa da instituição argumentou que toda e qualquer decisão da Justiça do Trabalho nesse processo usurpariam o poder de fiscalização e segurança atribuídos legalmente ao Banco Central e ao Ministério da Justiça.

Ao rejeitar os argumentos, o ministro afirmou que a ação trata de interesses coletivos de natureza trabalhista que dizem respeito à segurança, prevenção e meio ambiente do trabalho.

O relator explicou que a Lei nº 7.102/83 dispõe que compete ao Banco Central do Brasil autorizar o funcionamento dos estabelecimentos financeiros, após verificar os requisitos mínimos de segura indispensáveis.

Segundo ele, ao Banco Central compete apenas exigir a mínima segurança necessária ao funcionamento da agência e, no caso em questão, o sindicato está postulando mais que isso.

O sindicato está pedindo a instalação de equipamentos que forneçam uma maior segurança aos bancários, ou seja, está pretendendo garantir maior proteção aos empregados do banco, em face dos freqüentes assaltos no País e do risco a que estão sujeitos os trabalhadores que exercem as suas atividades nas agências, disse o ministro.

Acrescentou ainda que todo o aparato legal em matéria de segurança bancária deve ser visto sob o prisma trabalhista. O fato da norma de segurança destinada aos trabalhadores gerar efeitos benéficos também para os clientes do banco, não exclui a competência da Justiça do Trabalho, como é o caso das normas que visam assegurar higiene, iluminação e refrigeração no local de trabalho, concluiu.

Matérias relacionadas

Banco é condenado por abuso de direito em demissão de empregado

O Tribunal Superior do Trabalho manteve a condenação imposta pelo TRT do Espírito Santo (17ª Região) ao Banco do Brasil, que terá de pagar...

Admitido recurso sem assinatura entregue ao TRT por e-mail

O Tribunal Superior do Trabalho admitiu o processamento de um recurso de revista que foi interposto, originalmente no Tribunal Regional do Trabalho...

Servidor celetista com atividade penosa tem contagem especial de tempo

O servidor público que, sob regime celetista, exerceu atividade considerada penosa, insalubre ou perigosa tem direito à contagem especial desse...

Permitido levantar FGTS por rescisão sem justa causa em sentença arbitral

O Superior Tribunal de Justiça entendeu que, configurada a demissão sem justa causa, não há como negar o saque do Fundo de Garantia por Tempo de...

Aluno em atraso há mais de 90 dias não tem direito à renovar matrícula

O atraso no pagamento de mensalidades escolares por período superior a 90 dias, mesmo que de uma única parcela, autoriza a entidade de ensino a...

Tempo de serviço rural reconhecido mesmo tendo havido atividade urbana

A Turma Nacional de Uniformização da Jurisprudência dos Juizados Especiais Federais fixou entendimento que reconhece a possibilidade de concessão...

Cláusula que autoriza desconto em folha relativo a empréstimo é legal

O Superior Tribunal de Justiça decidiu ser legal a cláusula contratual que autoriza o desconto em folha de débito relativo a empréstimo...

Confirmada prevalência de acordo sobre convenção coletiva

O Tribunal Superior do Trabalho reconheceu a prevalência de um acordo coletivo - pacto entre sindicato dos trabalhadores e empresa - sobre uma...

Há periculosidade em caso de radiação ionizante

O Tribunal Superior do Trabalho confirmou a condenação imposta pela segunda instância à Irmandade da Santa Casa de Misericórdia de Porto Alegre...

É válida a demissão de empregado em disponibilidade

A Seção Especializada em Dissídios Individuais 1 (SDI-1) do Tribunal Superior do Trabalho admitiu a possibilidade de demissão de empregado não-...

Temas relacionados

Julgados

Direito do Trabalho

Outras matérias

Todas as matérias organizadas por assunto


Central Jurídica

Todos os direitos reservados.

Proibida a reprodução total ou parcial sem autorização.

Política de Privacidade